Resenha: Como eu era antes de você

Comentarios



Título: Como Eu era antes de Você
Autora: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Páginas: 318 
Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Trabalha como garçonete num café, um emprego que não paga muito, mas ajuda nas despesas, e namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe. Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Tudo parece pequeno e sem graça para ele, que sabe exatamente como dar um fim a esse sentimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.


Que história incrível!

Quando terminei este livro, vi o quanto era uma leitura emocionante. Ele é poderoso, de partir o coração, e estranhamente reconfortante. Absolutamente inesquecível. Honestamente acho que é impossível chegar longe neste livro sem uma enorme sensação de gratidão por todas as bênçãos em sua vida.

O livro gira em torno de Louisa, uma mulher desesperada por um emprego que aceita uma posição como cuidadora particular de um jovem homem com deficiência, um tetraplégico, de uma família rica. Este homem, Will Traynor, já fora um homem de negócios ativo de alta potência que perseguiu uma vida emocionante de ação e aventura. Mas tudo isso chegou a uma súbita parada, no fatídico dia em que ele foi vítima de um acidente que deixou a maior parte de seu corpo paralisado. Agora, confrontado com a realidade médica de que nunca iria se recuperar, toda a sua visão sobre a vida mudou, levando-o a fazer uma decisão pessoal chocante. E foi aí que Lou entrou em cena.

"Seu corpo era apenas uma parte do pacote completo, algo para se lidar de vez em quando, em intervalos, antes de voltarmos a conversar. Para mim, tinha se tornado a parte menos interessante dele. Você só vive uma vez. É sua obrigação aproveitar a vida da melhor forma possível."
Foi realmente trágico ver um homem que tinha tanta energia mental ser tão forte e permanentemente confinado. Will estava preso dentro de seu próprio corpo e, como leitor, eu poderia realmente sentir suas frustrações e desesperanças. Pela primeira vez desde o acidente, porém, Lou trouxe momentos de alegria em sua vida. O encontro dos dois não foi nada convencional e nem um pouco amistoso por parte de Will. Ele estava irritadiço, mal-humorado, e não tinha nenhum desejo de estabelecer qualquer tipo de amizade com ela. Mas com o passar dos dias, as coisas começaram a mudar lentamente entre eles.

Esta história foi tranquilamente cativante. Eu poderia quase caracterizá-la como tendo um ritmo lento e ainda assim eu não poderia colocá-la para baixo. Sempre me pegava pensando sobre todos os aspectos da história e constantemente imaginava as limitações de Will mesmo quando eu não estava lendo

Essencialmente, antes do início do livro, Will fez uma decisão clara de espírito: ele não desejava continuar sua vida nessa condição. Não foi uma decisão abrupta feita com base na depressão ou na raiva, mas sim um baseado em fatos médicos e escolhas pessoais. Louisa descobriu sobre sua escolha relativamente cedo e quando ela fez, ficou horrorizada e decidiu fazer tudo em seu poder para convencê-lo a mudar de ideia. Acho que foi uma reação muito natural querer agarrar-se à esperança de um futuro melhor e a crença de que deve haver uma maneira. Não quero dar diretamente um spoiler do término do livro, mas ao mesmo tempo quero avisá-los que este não é um conto de fadas e sim, uma história dolorosamente real e honesta. Não há tragédia repentina ou torção no final. É mais como uma escolha pessoal feita tomando um olhar realista sobre a vida. É "dolorosamente doloroso" admitir, mas eu sinto que, dadas as circunstâncias da situação de Will e o que ele queria fora de sua vida, era o direito dele escolher seu fim.

Não vou mentir, antes de ler este livro, eu lutava com a moralidade da base de minha reação natural, afinal, presumi que teria uma reviravolta meio "clichê" para o fim desse livro. Mas, olhando para trás, notei que era injusto, porque eu realmente não sabia da complexidade ou dos detalhes desta situação exata. Eu acho que nós naturalmente queremos consertar as coisas, e é mais fácil de segurar a esperança imaginária quando você não é a pessoa que está presa. É um ato incrivelmente altruísta amar alguém o suficiente para colocar sua felicidade em primeiro lugar, mesmo à custa da sua própria.

"Reparei que ele parecia determinado a não lembrar em nada com o homem que tinha sido; (...). Seus olhos cinzentos tinham marcas de cansaço, ou de desconforto que ele sentia o tempo todo (...). Eles levavam o olhar vazio de alguém que está sempre alguns passos afastado do mundo a seu redor. Às vezes, eu me perguntava se aquilo não era um mecanismo de defesa de Will, já que a única maneira que encontrou de lidar com sua vida foi fingir que não era com ele que aquelas coisas estavam acontecendo."
Há tantas lições valiosas incorporados nesta história - para encontrar um propósito na vida, seguir suas paixões, e nunca desperdiçar um único momento - que sinto que essa história dá um lembrete importante para valorizar cada minuto e cada uma das coisas que podemos tão facilmente deixar de lado. Jojo Moyes levanta questões morais provocantes durante o desenvolvimento de um relacionamento verdadeiramente único entre duas pessoas reunidas por acaso. Isto pode não ser um romance para os fracos de coração, mas é uma história de grande coração, muito bem escrita que nos ensina que nunca é tarde demais para realmente começar a viver.

O livro está mais que recomendado.


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
Atributos de Verão. Tecnologia do Blogger.